fbpx

Como melhorar nossa inteligência emocional?

Você já percebeu que várias pessoas que eram boas alunas durante o colégio não se tornaram super bem-sucedidas na vida adulta? Isso pode ser explicado pelo fato de que apenas as inteligências lógicas e linguísticas, facilmente medidas através de testes, não são suficiente para a nossa total evolução.

Em outras palavras: de nada adianta termos um QI (Quociente de Inteligência) alto, se não soubermos lidar com nossas emoções.

inteligência emocional
Fonte: Pixabay

O que isso significa? Em qualquer profissão, é necessário termos inteligência emocional para desenvolver nosso potencial máximo.

O termo “inteligência emocional” está relacionado com a inteligência social, historicamente estudada há tempos pela Psicologia. Mas ficou conhecida a partir de publicações do psicólogo norte-americano Daniel Goleman.

 

inteligência emocional
Fonte: LIFT Economy

Segundo ele, pessoas bem-sucedidas possuem, em média, 80% a 90% de motivação, autocontrole e empatia – e apenas 10% a 20% de QI alto.

Veja o vídeo:

Você quer melhorar sua inteligência emocional? Então confira o guia que preparamos pra você!

Os oito tipos de inteligência
A inteligência emocional no trabalho
5 habilidades para melhorar sua inteligência emocional

inteligência emocional
Fonte: Pixabay

Os oito tipos de inteligência

Segundo o psicólogo Howard Gardner, criador da Teoria das Inteligências Múltiplas, há, no mínimo, oito tipos de inteligência. Isso ele chama de “processos mentais múltiplos”. São eles:

Inteligência linguística: facilidade de se expressar oralmente e pela escrita;
Inteligência lógica: agilidade em raciocínio matemático ou científico;
Inteligência espacial: aptidão com o mundo visual (ex: arquitetos e designers);
Inteligência motora: dom para realizar movimentos complexos com o corpo;
Inteligência musical: destreza para identificar e reproduzir padrões sonoros;
Inteligência naturalista: talento para identificar diferentes padrões da natureza;
Inteligência interpessoal: desenvoltura para liderar e ter responsabilidade;
Inteligência intrapessoal: facilidade para observar, analisar e compreender os outros e a si mesmo.

A inteligência emocional seria uma mistura da interpessoal com a intrapessoal. Uma pessoa considerada emocionalmente inteligente é, por exemplo, aquela que tem autocontrole e consegue motivar-se a persistir nos seus objetivos mesmo em situações frustrantes.

inteligencia emocional
Fonte: Knipoong

A inteligência emocional no trabalho

A inteligência emocional, segundo Augusto Cury, é composta por quatro atributos: autocontrole, autoconhecimento, consciência social (empatia e convivência em grupo), gestão de relacionamento (desenvolver e manter boas relações).

No trabalho, nossa produtividade é diretamente afetada por nossa inteligência emocional. Como? Saber conviver, trabalhar em equipe, se comunicar de maneira assertiva, seguir os acordos e trabalhar bem mesmo em situações adversas são características de quem sabe controlar suas emoções.

inteligência emocional
Fonte: Pixabay

5 habilidades para melhorar sua inteligência emocional

A inteligência emocional, segundo Augusto Cury, consiste em conseguir reduzir o estresse, permanecer focado e ficar conectado a si mesmo e aos outros.

O psiquiatra e escritor defende que é possível, com alta inteligência emocional, ter capacidade de:

  • Reduzir rapidamente o estresse momentâneo em situações variadas;
  • Reconhecer suas emoções e não permitir que isso sobrecarregue você;
  • Se conectar emocionalmente com os outros, utilizando a comunicação não-verbal;
  • Usar o bom humor e praticar ficar conectado com isso mesmo em situações desafiadoras;
  • Resolver os conflitos de forma positiva e confiante.
inteligência emocional
Fonte: www.asomadetodososafetos.com

Como conseguir desenvolver essas habilidades? Sim, é possível. A inteligência emocional, ao contrário do QI, pode crescer e se alterar com o tempo.

1- Reduzir rapidamente o estresse momentâneo em situações variadas

Primeiro, perceba quando você está estressado. Depois, identifique sua resposta ao estresse. Descubra técnicas de combate ao estresse que funcionem para você e pratique-as (com frequência) sempre que precisar. É uma pessoa ansiosa? Medite diariamente, nem que seja por 5 minutos.

Inteligência emocional
Fonte: Pixabay

2- Reconhecer suas emoções e não permitir que isso sobrecarregue você

Que tipo de relacionamento você tem com as suas emoções? Observe suas reações emocionais e físicas a cada estresse. Importante: anote tudo e use essas anotações para conhecer seus limites. Ter autocompaixão é essencial.

Uma análise crítica e consciente de suas anotações vai ajudar você a compreender seu padrão de reação e como melhorar.

inteligência emocional
Fonte: Pixabay

3- Se conectar emocionalmente com os outros, utilizando a comunicação não-verbal

Frequentemente, o que falamos é menos importante que a forma com que comunicamos isso. Outros sinais não-verbais também podem fazer a diferença.

Como melhorar? Peça feedbacks de pessoas próximas e receba todas as críticas com positividade. Analise o que faz sentido para você, que soa verdadeiro. E trabalhe isso, seja melhorando o tom de voz ou usando as palavras com mais cuidado.

DICA: na comunicação não-verbal é essencial ter empatia, acolhimento e olhar nos olhos.

Inteligência emocional
Fonte: Pixabay

4- Usar o bom humor e praticar se conectar com isso mesmo em situações desafiadoras

O dia está pesado? Vá em frente ao espelho e sorria. Apenas o ato de mudar as suas feições já altera algumas reações biológicas no corpo. Procure sempre manter feição leve e sorriso no rosto mesmo em situações desafiadoras: tanto seu corpo quanto seus colegas de trabalho agradecem.

Você tem dificuldade de praticar bom humor? Faça atividades como brincar com crianças ou animais com mais frequência. Assim, aos poucos, vamos aprendendo a nos soltar e a rir de pequenas coisas.

inteligência emocional
Fonte: Pixabay

5- Resolver os conflitos de forma positiva e confiante

Conflito não é, necessariamente, algo negativo. É, sim, natural, pois nem sempre todo mundo terá os mesmo objetivos e as mesmas expectativas.

Encare o conflito como uma oportunidade de acolher o outro e de se fazer ser compreendido – não como um campo de batalha.

[BÔNUS] OUTRAS DICAS: 

  • Mantenha-se focado no presente: não guarde velhas mágoas e ressentimentos
  • Escolha os seus argumentos: considere criar argumentos com base em fatos específicos, não generalizações
  • Perdoe: esqueça o desejo de punir ou de se vingar. Para se sentir realmente livre da situação, perdoe e foque suas energias em coisas mais produtivas. O conflito só será resolvido, de verdade, quando houver perdão de ambas as partes.
  • Não faça questão de estar sempre certo: a convivência é mais importante que o ego. Aprenda a ceder para finalizar conflitos que nunca se se resolvem. Em outro momento, com a cabeça mais fresca, você pode retomar o assunto e encontrar uma solução.
Fonte: Pixabay

Gostou deste artigo? Deixe seus comentários! Nós, do Four, prezamos pelo autoconhecimento e pelo equilíbrio emocional de nossos associados oferecendo práticas como meditação e yoga no coworking. Venha nos conhecer para saber mais sobre isso!

Leave a Comment

Your email address will not be published.